Deficiência, Globalização e Resistência

Deficiência, Globalização e Resistência

No período de 26 a 28 de junho, o Programa de Pós-Graduação em Sociologia receberá o Prof. Dr. Robert McRuer que irá ministrar o minicurso “Deficiência, Globalização e Resistência”. O minicurso será uma introdução à teoria crip e ao que pode ser entendido como a “virada global” nos estudos sobre deficiência, pensando sobre as maneiras pelas quais a deficiência está situada de diversas maneiras na geopolítica contemporânea e transnacional. Várias palavras-chave animarão a conversa ao longo da semana, incluindo desapropriação e deslocamento, mas também resistência e aspiração. O minicurso examinará como esses conceitos funcionaram no e pelo neoliberalismo e formas dominantes de globalização, mas também cuidará de sua circulação em movimentos sociais mais voltados para formas alternativas de globalização ou contra globalização.
Robert McRuer é professor e pesquisador da George Washington University,  crítico literário, analista cultural e teórico social, conta com vasta produção acadêmica nas dimensões teóricas dos estudos queer e dos estudos críticos sobre deficiência. Com uma literatura que abrange criticamente temas como cultura queer, perspectivas raciais nos estudos sobre sexualidade e a produção compulsória de corporalidades capazes, Robert McRuer nos últimos anos se debruça sistematicamente no questionamento da própria localização cultural das materialidades da deficiência. Para McRuer, a deficiência é tanto uma locução cultural, uma metáfora oposta às ideias de saúde e capacidade, quanto uma localidade material, que delineia certas corporalidades e experiências como ‘problemáticas’ na intersecção com as categorias classe, raça, gênero e sexualidade. Nesse sentido, o autor vem propondo a teoria crip, ou teoria aleijada: uma maneira de pensar a produção cultural e material da deficiência como uma necessária peça para a reprodução naturalizada de corpos ‘normais’, pois, saudáveis e capazes. Na teoria crip, o termo aleijado visa denunciar ironicamente tanto a naturalização da deficiência como “defeitos corporais”, quanto amplificar as possibilidades materiais e culturais dos indivíduos se identificarem politicamente com as dimensões da deficiência.
As aulas serão ministradas em inglês com tradução simultânea. Para conferir a programação, clique aqui!
Inscrições on-line: de 07/06 a 15/06/2018 – https://goo.gl/forms/rzTrBoMY7NBLeMHH3
Total de vagas: 30 (trinta)
Local: Auditório do Departamento de Sociologia – Área Sul – UFSCar
Público-alvo: Alunos de graduação e de pós-graduação. Aos alunos de graduação será concedido certificado e para os alunos de pós-graduação dará direito a 02 (dois) créditos condicionada a frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) das sessões.

2018-06-07T11:15:33+00:00 07/06/2018|Notícia|